domingo, 17 de setembro de 2017

Polícia prende segundo suspeito de atentado em Londres


Um jovem de 21 anos foi detido na manhã deste domingo por suspeita de participar do ataque à estação de metrô Parsons Green, em Londres, que aconteceu na sexta-feira. De acordo com a polícia do Reino Unido, o homem encontrado em Hounslow, sudoeste da capital britânica, foi levado para prestar depoimento e não teve sua identidade revelada.
No sábado, as autoridades locais já haviam prendido outro suspeito, um rapaz de 18 anos. O homem foi detido na sala de embarque do porto de Dover, local de saída de transportes que cruzam o Canal da Mancha, sob a suspeita de preparar e instigar atos de terrorismo.
O atentado que deixou 29 passageiros feridos foi causado com um artefato de fabricação caseira, que estava em um cubo branco dentro de uma sacola de supermercado, e explodiu parcialmente em uma composição da linha District que seguia para o centro da capital britânica. No mesmo dia, o Reino Unidoelevou para o nível crítico a ameaça terrorista contra o país, que é o mais alto em sua escala e significa que um outro atentado pode ser iminente, disse a primeira-ministra Theresa May.
O ataque

A explosão causada por um artefato de fabricação caseira no metrô de Londres ocorreu por volta das 8h20 do horário local (4h20 em Brasília) em um vagão de um trem parado na estação de Parsons Greeen, no sudoeste de Londres, que estava lotado de pessoas indo para o trabalho. Segundo fotos divulgadas pela imprensa local, o artefato estava em um balde branco dentro de uma sacola de supermercado. Aparentemente, havia um detonador, mas ele não chegou a explodir totalmente. Por esse motivo, especialistas acreditam que o terrorista tinha como objetivo deixar muitas vítimas. A explosão obrigou as autoridades a fechar a estação de Parsons Green e os arredores. Vizinhos da região foram tirados de suas casas. Agora, as forças de segurança estão coletando provas que permitam localizar o responsável pelo atentado. Este foi o quinto ataque terrorista de 2017 na Inglaterra. Os outros quatro ocorreram perto do Parlamento britânico, na Manchester Arena, durante um show de Ariana Grande, na ponte de Londres e, por fim, em uma mesquita do norte da capital. A última vez que as autoridades britânicas decidiram elevar o nível de ameaça a “crítico” foi em maio, após o atentado suicida em Manchester, no norte da Inglaterra.

Prazo de inscrição em concurso fotográfico está chegando ao fim

A Câmara Municipal de Maringá encerrará, no próximo dia 21 (quinta-feira), o prazo de inscrições para a quarta edição do concurso fotográfico “As árvores do Passeio Público”.
O objetivo é eleger as melhores imagens registradas em ruas, praças ou jardins públicos da cidade. A candidatura poderá ser feita pessoalmente ou pelo Correio até o dia 21 de setembro. O regulamento completo e a ficha de inscrição estão à disposição dos interessados no site do Legislativo (www.cmm.pr.gov.br).
O concurso é aberto à participação de amadores e profissionais da área fotográfica. Cada inscrito poderá concorrer com até duas fotografias, tamanho 20x25cm, coloridas e em papel fosco, sem margem, juntamente com a ficha de inscrição.
Os trabalhos deverão ser acondicionados em envelope e deverão ser enviados pelo Correio ou entregues, na sede do legislativo maringaense, com a seguinte identificação:
Concurso Fotográfico “As Árvores do Passeio Público de Maringá” – Câmara Municipal de Maringá, Avenida Papa João XXIII, 239, Centro, Maringá – PR, CEP 87010-260.
A Mesa Executiva da Casa definirá uma Comissão Julgadora para analisar os trabalhos recebidos. Os autores das três fotografias com as melhores notas receberão certificados emitidos pela Câmara Municipal de Maringá, mencionando as respectivas colocações no concurso. Os demais concorrentes receberão certificados de participação.

Mais informações sobre o assunto poderão ser obtidas diretamente na Escola Legislativa ou pelo telefone: (44) 3027-4114. 

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Aos moradores de Marialva:

Câmara aprova projeto que cria 6 vagas para médicos especialistas com provimento por meio de concurso público

Por unanimidade, o plenário da Câmara Municipal de Marialva aprovou o Projeto de Lei (58/2017), do Poder Executivo, que cria vagas para cargos de médicos em diversas especialidades no quadro do pessoal efetivo da Administração.
Os cargos são para médico angiologista, dermatologista, neurologista, oftalmologista, otorrinolaringologista e urologista. Todos com carga horária de 20 horas, sendo o vencimento inicial de R$ 25,73 a hora, semanais e exigência mínima para provimento de ensino superior e 21 anos de idade. A contratação será feita por meio de concurso público.
“Vamos suprir a carência que existe no município. Com esse projeto percebemos que Victor Martini está encarando Marialva não como uma cidade de pequeno porte, mas de médio porte e dando condições de atendimento básico para toda população”, ressaltou Onesimo Bassan (PDT).
O vereador Wesley Araújo (PR) também comentou sobre a demanda dos munícipes com relação ao atendimento de especialistas. “Quantas pessoas, hoje, precisam sair de Marialva para procurar um especialista. Agora, vamos poder ter esses profissionais no nosso município”, disse.
Xuxa da Ambulância (PMDB) explicou que, atualmente, esse tipo de atendimento é ofertado pelo Município por meio do consórcio firmado com o Cisamusep. “Vamos otimizar o recurso. A Administração vai economizar com o consórcio e também com o translado dos pacientes e ainda diminuir a fila de espera por esses atendimentos ”, avaliou.
Luciano Grudi (PSC) ponderou que apesar da carga horária ser de 20 horas semanais, a contratação “é um avanço significativo para a saúde pública municipal”.
Josiane (PP) aproveitou a oportunidade para indicar ao Prefeito a construção de um Centro de Especialidades. “Um local para aglomerar esses profissionais e oferecer atendimento de alta complexidade”.

Paulo Barbado também elogiou a proposta. “O povo paga impostos e merecer ter um bom atendimento em troca. Vamos ver como será a atuação desses médicos na prática”, disse.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Maringá Futebol Clube volta a vencer na Taça FPF


Os 205 torcedores que estiveram na manhã do domingo (10) no Estádio Willie Davids em Maringá viram a equipe da casa vencer o time do Toledo, mas não convencer. O técnico da equipe maringaense não podia contar com Pedrão e Alef, suspensos; em seus lugares, entraram Gilberto na zaga e Ítalo no ataque, respectivamente. O meia Barreto também foi titular, entrando no lugar de Chinaqui que foi dispensado da equipe após o jogo contra o Rio Branco. No primeiro tempo o jogo foi eletrizante, com pressão incessante do Maringá e contra ataques rápidos e perigosos do Toledo. Em uma oportunidade, três jogadores da equipe toledana estavam prestes a ficar cara a cara com o goleiro Junior, mas o impedimento foi marcado. As chances da equipe da casa apareceram de diversas formas: jogadas individuais (principalmente com Junior Prego), cruzamentos e bons passes que levaram o Maringá a chegar muito perto do gol, mas a bola não balançava as redes. Ítalo teve chance incrível mas perdeu e, no contra ataque, a equipe de Toledo chegou a marcar o gol, posteriormente anulado pelo assistente alegando condição irregular do jogador da equipe. O goleiro do time adversário, Jonathan, foi o grande nome da primeira etapa, fazendo ótimas defesas que impediram o gol do time maringaense várias vezes; o zagueiro Victor também se destacou.
O segundo tempo começou morno, num ritmo totalmente diferente, com nenhuma das equipes chegando ao ataque com perigo. O técnico Fernando Marchiori percebeu que estava na hora de mudar e colocou Lucão no lugar de Éverton, mudança que não alterou muito o ritmo do jogo. Porém, quando o treinador tirou o meia Pacato, contestadíssimo por toda a torcida devido às más atuações em todos os jogos, e colocou a prata da casa, João Fenato, de 19 anos, o resultado veio rapidamente. Em seu segundo toque na bola, Fenato ajeitou sutilmente para Ítalo, que carregou a bola e bateu bem de fora da área, anotando o primeiro gol do Maringá. Com 1x0 no placar, a equipe da casa administrou o resultado até o final da partida.

Depois de muita insistência, Marchiori tirou o meia Pacato do jogo. Realmente, o jogador não vem jogando bem, cometendo erros infantis e acabando com as jogadas de ataque. Quando perguntado sobre as atuações do jogador, o técnico da equipe Maringaense respondeu que é momento, uma má fase. O que a torcida presente no estádio viu hoje foi uma substituição que deu muito certo, o que prova que os jogadores que estão no banco têm qualidade pra entrar e decidir um jogo e, portanto, merecem ser colocados em campo e, eventualmente, serem titulares, ainda mais com as atuações pífias e abaixo do esperado de diversos atuais titulares. Muitos dos jogadores esperam uma única oportunidade para mostrar seu futebol, enquanto alguns outros com baixo rendimento são mantidos no time. Resta esperar se tais jogadores que vêm mal estarão entre os 11 titulares que jogarão nesta quarta (13) contra o Iraty no Estádio Regional Willie Davids, às 20:15, partida adiada da quinta rodada devido ao acidente com o ônibus da equipe de Irati durante viagem com destino a Maringá.
Escrita por: Pedro Henrique Venturini.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Em tempos de crise, uma boa notícia para empresas

Decisão do STF aponta que ICMS não compõe a base de cálculo para incidência do PIS e da Cofins
 Bruno Spinella
Em períodos de crise, a palavra de ordem em qualquer empresa é enxugar gastos e produzir ao menor custo possível. É preciso olhar a organização em todos os seus setores. De compras ao recursos humanos, passando por logística, transporte. A palavra de ordem é otimização.
Nesse sentido, um dos aspectos que não pode ser ignorado, de forma alguma, é o tributário. Mesmo passando por dificuldades financeiras, há empresas que pagam muitos impostos indevidos, na maioria das vezes por falta de conhecimento ou mesmo de um olhar mais apurado a estas questões.
É preciso estar atento a todas as alterações legislativas, decisões proferidas pelos tribunais superiores, adequações na legislação tributária etc. Um exemplo recente de decisão que pode resultar no pagamento de menos tributos para as organizações está em um entendimento do Supremo Tribunal Federal.
No dia 15 de março deste ano, a Suprema Corte chegou à conclusão que o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) não compõe a base de cálculo para a incidência do PIS (Programa de Integração Social) e da Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social).
A Contribuição para o Cofins  e o PIS incidiam sobre o faturamento mensal, assim considerado a receita bruta das vendas de mercadorias, de mercadorias e serviços e de serviços de qualquer natureza (LC 70/91, art. 2º). No regime não-cumulativo (lucro real) as alíquota do PIS e Cofins são respectivamente 1,65% e 7,6% e, para o regime cumulativo (lucro presumido), 0,65% PIS e 3% Cofins.
Portanto, o ICMS não constitui receita operacional. A Constituição inviabiliza a tomada de valor referente a certo tributo como base de incidência de outro. Além disso, nem tudo o que contabilmente é considerado como receita pode sê-lo para fins de tributação. Isso porque, a receita, na norma concessiva de competência tributária, denota uma revelação de riqueza. É preciso considerar a receita sob a perspectiva do princípio da capacidade contributiva.
Também, a incidência do PIS e da Cofins sobre a parcela referente ao ICMS desvirtua a regra-matriz de incidência prevista constitucionalmente, pois se exige o pagamento de tributo tendo por hipótese de incidência um outro imposto.
Portanto, com a decisão do Supremo Tribunal Federal, foi fixada a seguinte tese:  O ICMS não compõe a base de cálculo do PIS e da COFINS. No entanto, a União entrou com pedido de modulação dos efeitos dessa decisão. Ocorrendo a modulação dos efeitos, o seja, estabelecida  uma data a partir da qual a decisão do STF surtirá efeitos, aqueles contribuintes que não ingressaram em juízo buscando a declaração de ilegalidade da cobrança, podem perder o direito de recebimento desses valores pagos indevidamente.


Bruno Spinella é advogado, sócio da Vieira, Spinella e Marchiotti Advogados Associados, com sede em Maringá-PR

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Torcida pede mudanças após resultados ruins em casa


Na manhã do domingo (3) a equipe do Maringá Futebol Clube jogou no Estádio Willie Davids contra o time do Foz do Iguaçu para tentar se redimir da derrota em casa na última quinta (31) para o Operário. O jogo começou com pressão da equipe maringaense buscando o gol logo cedo, mas tal pressão não surtiu muito efeito visto que a defesa da equipe da fronteira estava muito bem postada em campo. Porém, aos 20 minutos da primeira etapa, o lateral Junior Prego levou todos os marcadores em boa jogada pela esquerda, tocando para o polêmico artilheiro Alef Manga marcar seu quinto gol na competição e o primeiro do Maringá na partida. Após o gol, o primeiro tempo ficou morno, com apenas mais uma chance de perigo, para a equipe do Foz, quando a bola sobrou no meio de campo para o rápido Kady, que chutou cruzado obrigando o goleiro Junior a fazer boa defesa. Tudo indicava que o segundo tempo seria de mais pressão do time visitante, em busca do empate, mas isso não foi visto nos primeiros minutos. No entanto, em uma jogada trabalhada pelos atacantes da equipe iguaçuense e contando com falha da defesa, Gian Luca, artilheiro do time, anotou o primeiro tento para o Foz, sendo esse o seu quarto gol na competição. Após o revés, o Maringá FC começou a pressionar constantemente o adversário em busca do gol que até saiu, mas foi anulado pelo assistente, causando muita discussão entre os árbitros e a comissão técnica maringaense. Anteriormente, Lucão havia perdido um gol incrível cara a cara com o goleiro. No último lance da partida, o tricolor maringaense acertou uma bola no travessão do Foz, mas, apesar de toda pressão, o jogo terminou com o placar de 1x1.
A equipe, mesmo não vencendo, jogou melhor em relação ao jogo de quinta contra o Operário, mas não é isso que preocupa os torcedores tricolores. O técnico Fernando Marchiori vem priorizando jogadores de fora ao invés das pratas da casa que tem no elenco. O meia Pacato, que jogou os 90 minutos, não foi bem, assim como nas últimas partidas. Quando o Maringá tomou o gol de empate, Marchiori colocou o defensor Jardiel, ao invés de apostar em um jogador mais ofensivo. Os dois jogadores citados vieram por empréstimo da equipe do Londrina. O zagueiro Diogo também não vem atuando bem e falhou no gol da equipe adversária. Enquanto isso, Marchiori não relacionou Felipe Leitão, atacante da região que atuou bem pela equipe do Grêmio Maringá, nem Guilherme Cenci, zagueiro que fez dois gols nos jogos treino antes da competição e vinha jogando muito bem também, outro que teve boas atuações pelo Grêmio Maringá. No banco, o técnico não utilizou peças importantes como Luccas Barreto, meio campo que poderia entrar no lugar de Pacato e Chinaqui que jogaram mal e tardou ao colocar na partida o atacante Ítalo, que está no elenco desde o início do ano e também vinha participando bem, cumprindo sua função de marcar gols. O que o torcedor maringaense questiona é justamente isso: por que bons jogadores que vêm treinando desde o início do ano com a equipe não estão tendo oportunidades, enquanto o técnico Fernando Marchiori insiste nas más atuações de jogadores que vieram da base de outros times, como o Londrina, e em jogadores de sua confiança que não vêm dando resultado? Detalhe: grande parte do elenco da equipe iguaçuense, aproximadamente 80%, é formado por atletas da própria base. Será essa uma lição para o tricolor maringaense?


O próximo compromisso do Maringá Futebol Clube é na cidade de Paranaguá, contra o time do Rio Branco. Vale lembrar que o time da cidade canção está na terceira colocação da Taça FPF, com 10 pontos ganhos, atrás do próprio Foz com 13 pontos somados, único invicto na competição, tendo dois jogos a mais que o time maringaense e da equipe do Cascavel, que somou 13 pontos em 6 jogos (um a mais que o Maringá). A equipe de Cascavel lidera pois tem 4 vitórias, contra 3 do segundo colocado.

Nota de pesar.


É com grande tristeza e dor que comunico o falecimento de meu grande amigo Dirceu Oscar de Mattos! Amigo desde 01/05/1985, quando comecei a fazer plantão esportivo na Radio Cultura de Maringá, época em que Dirceu era diretor de árbitros na Liga Desportiva de Maringá, árbitro da Federação Paranaense de Futebol e também da CBF.

A minha família e a Equipe Alegria está em Luto! Perdemos o nosso excelente comentarista e um amigo de longa data.